Quebrando O Molde - Kaká

May 31, 2018

Deitado na cama por dois meses com o pescoço quebrado, Ricardo Izecson dos Santos Leite, de 18 anos, fez uma lista de 10 golos. Não importa o fato de que ele estava incerto para jogar futebol novamente depois de fraturar a sexta vértebra dele no fundo de um toboágua.

E esqueça o otimismo cauteloso. Estes foram sonhos marcantes mesmo para um rapaz criado na mania do futebol brasileiro – especialmente um que precisava de um programa médico e que ainda não tinha sido titular da equipa júnior do Clube de futebol de São Paulo. A lista começou com “Retorno ao futebol” e continuou mais alto “Competir na Copa do Mundo” e “Transferir-se para um grande clube na Itália ou na Alemanha”.

Cerca de duas semanas depois de voltar ao futebol, ele foi convocado para a equipe profissional de São Paulo. Faltando 10 minutos para o final, ele foi incluído nas finais do prestigioso Torneio Rio-São Paulo. O São Paulo seguiu o Botafogo por 1 x 0 quando o meio campista recebeu um passe alto e circular, jogou para trás das costas de um defesa e chutou rasteiro por baixo do guarda-redes de mergulho. Dois minutos depois, ele conseguiu outro foguete baixo para conquistar o campeonato enquanto os locutores de TV gritavam “Gooooooooooooooolo!”

O Brasil conheceu Kaká. (O apelido, pronunciado Ka-kah ‘, veio quando seu irmão mais velho não conseguiu pronunciar seu nome.) Ele garantiu sua vaga titular para São Paulo e dentro de dois anos poderia riscar toda a lista de golos, incluindo a Copa do Mundo. Logo, Kaká ficou no topo do futebol mundial, conquistando as mais altas honras individuais: a Bola d’Or para o melhor do mundo e o Melhor Jogador do Ano da FIFA.

“Eu fui muito abençoado com sucesso… Pode parecer que eu tenho tudo. Devido à minha riqueza e fama, algumas pessoas perguntam por que ou se eu ainda preciso de Jesus ”, disse ele. “A resposta é simples: preciso de Jesus todos os dias da minha vida. Sua Palavra, a Bíblia, me diz que sem Ele eu não posso fazer nada. Eu realmente acredito nisso. A habilidade que tenho para jogar futebol e tudo o que resultou disso são dons de Deus ”.

A popularidade de Kaká continuou mais e mais alta no Brasil fanático por futebol após a sua paragem. A imprensa adorava contar sobre ele e ele era um herói instantâneo. Após o choque inicial, Kaká desenvolveu uma acessibilidade calorosa com a imprensa e os fãs, mas ele evitou os holofotes e as tentações das casas noturnas e da cena dos paparazzi. Como sempre foi o caso, sua família e fé eram sua âncora.

“Muitas pessoas pensam que eu me tornei um seguidor de Cristo após o acidente [com toboágua], mas isso não é verdade”, diz Kaká. “Meus pais sempre me ensinaram a Bíblia e seus valores, e também sobre Jesus Cristo e fé”.

Ser batizado aos 12 anos foi um marco importante para Kaká e um que teve um efeito profundo em sua jovem vida espiritual. “Pouco a pouco, parei de simplesmente ouvir as pessoas falando sobre o Jesus que meus pais me ensinaram”, diz ele. “Chegou uma época em que eu queria viver minhas próprias experiências com Deus.”

As realizações de Kaká no campo obviamente lhe renderam destaque mundial, mas sua reputação pessoal também atraiu atenção generalizada como uma novidade entre as estrelas do desporto internacional. Escolher um estereótipo de atleta profissional e Kaká o contradiz.

Por exemplo, Kaká e sua esposa, Caroline, se casaram como virgens e conversaram abertamente na imprensa.

“Foi um dos maiores desafios da minha vida porque fizemos uma escolha que não foi fácil”, diz Kaká. “Passamos muito tempo orando e caminhando de perto com Jesus e o Espírito Santo. Foi um grande desafio, mas foi muito bom ter esperado. O sexo é uma grande bênção de Deus para o prazer de ambos, marido e mulher, depois do casamento, e não é a coisa trivial ou casual que se tornou hoje em dia ”.

Depois de disputar quatro ligas profissionais de elite e 92 aparições com a Seleção Brasileira, Kaká deixa poucas dúvidas de que é tudo sobre Jesus.

Quebrando O Molde - Kaká

May 31, 2018

Deitado na cama por dois meses com o pescoço quebrado, Ricardo Izecson dos Santos Leite, de 18 anos, fez uma lista de 10 golos. Não importa o fato de que ele estava incerto para jogar futebol novamente depois de fraturar a sexta vértebra dele no fundo de um toboágua.

E esqueça o otimismo cauteloso. Estes foram sonhos marcantes mesmo para um rapaz criado na mania do futebol brasileiro - especialmente um que precisava de um programa médico e que ainda não tinha sido titular da equipa júnior do Clube de futebol de São Paulo. A lista começou com "Retorno ao futebol" e continuou mais alto "Competir na Copa do Mundo" e "Transferir-se para um grande clube na Itália ou na Alemanha".

Cerca de duas semanas depois de voltar ao futebol, ele foi convocado para a equipe profissional de São Paulo. Faltando 10 minutos para o final, ele foi incluído nas finais do prestigioso Torneio Rio-São Paulo. O São Paulo seguiu o Botafogo por 1 x 0 quando o meio campista recebeu um passe alto e circular, jogou para trás das costas de um defesa e chutou rasteiro por baixo do guarda-redes de mergulho. Dois minutos depois, ele conseguiu outro foguete baixo para conquistar o campeonato enquanto os locutores de TV gritavam "Gooooooooooooooolo!"

O Brasil conheceu Kaká. (O apelido, pronunciado Ka-kah ', veio quando seu irmão mais velho não conseguiu pronunciar seu nome.) Ele garantiu sua vaga titular para São Paulo e dentro de dois anos poderia riscar toda a lista de golos, incluindo a Copa do Mundo. Logo, Kaká ficou no topo do futebol mundial, conquistando as mais altas honras individuais: a Bola d'Or para o melhor do mundo e o Melhor Jogador do Ano da FIFA.

“Eu fui muito abençoado com sucesso… Pode parecer que eu tenho tudo. Devido à minha riqueza e fama, algumas pessoas perguntam por que ou se eu ainda preciso de Jesus ”, disse ele. “A resposta é simples: preciso de Jesus todos os dias da minha vida. Sua Palavra, a Bíblia, me diz que sem Ele eu não posso fazer nada. Eu realmente acredito nisso. A habilidade que tenho para jogar futebol e tudo o que resultou disso são dons de Deus ”.

A popularidade de Kaká continuou mais e mais alta no Brasil fanático por futebol após a sua paragem. A imprensa adorava contar sobre ele e ele era um herói instantâneo. Após o choque inicial, Kaká desenvolveu uma acessibilidade calorosa com a imprensa e os fãs, mas ele evitou os holofotes e as tentações das casas noturnas e da cena dos paparazzi. Como sempre foi o caso, sua família e fé eram sua âncora.

“Muitas pessoas pensam que eu me tornei um seguidor de Cristo após o acidente [com toboágua], mas isso não é verdade”, diz Kaká. “Meus pais sempre me ensinaram a Bíblia e seus valores, e também sobre Jesus Cristo e fé”.

Ser batizado aos 12 anos foi um marco importante para Kaká e um que teve um efeito profundo em sua jovem vida espiritual. "Pouco a pouco, parei de simplesmente ouvir as pessoas falando sobre o Jesus que meus pais me ensinaram", diz ele. “Chegou uma época em que eu queria viver minhas próprias experiências com Deus.”

As realizações de Kaká no campo obviamente lhe renderam destaque mundial, mas sua reputação pessoal também atraiu atenção generalizada como uma novidade entre as estrelas do desporto internacional. Escolher um estereótipo de atleta profissional e Kaká o contradiz.

Por exemplo, Kaká e sua esposa, Caroline, se casaram como virgens e conversaram abertamente na imprensa.

"Foi um dos maiores desafios da minha vida porque fizemos uma escolha que não foi fácil", diz Kaká. “Passamos muito tempo orando e caminhando de perto com Jesus e o Espírito Santo. Foi um grande desafio, mas foi muito bom ter esperado. O sexo é uma grande bênção de Deus para o prazer de ambos, marido e mulher, depois do casamento, e não é a coisa trivial ou casual que se tornou hoje em dia ”.

Depois de disputar quatro ligas profissionais de elite e 92 aparições com a Seleção Brasileira, Kaká deixa poucas dúvidas de que é tudo sobre Jesus.